segunda-feira, 9 de abril de 2012

A CASA MUSEU DO MORADOR ALCEMAR



             
  Conheci essa grande pessoa que é o Fabio Ramalho da  TV Record em uma visita no Santa Marta. Conhecemos toda a favela, jantamos  e papeamos bastante junto com outro amigo. Levei ele pra participar do meu programa na Radio Santa Marta que foi um sucesso. Fabio resolveu voltar a favela pra mostrar essa história interessante que mostrei a ele. 
  Leia a entrevista que fiz com ele e o vídeo da Tv Record.


  Alcemar dos Santos 46 anos e 20 anos de Santa Marta resolveu fazer algo diferente e inovador em sua casa. Tinha muita vontade de ter uma casa na favela que fosse uma espécie de um museu. Ele ficou preparando isso um tempo e comentou -  Na favela só tem birosca, não tem cinema e teatro. Ai ele teve essa ideia, mais a ideia dele rolou na epoca que o tráfico tava na comunidade e quando constantemente tinham tiroteios, quando ninguem quase podia subir na favela tranquilamente.
Ele resolveu fazer algo diferente e chegando um tempo a casa ia ficar conhecida. Agora com os novos tempos as coisas estão melhorando, ele ficou esquematizando como a casa seria.
   A casa tem coisas diferentes e interessantes e com muitas historias disse Alcemar.
  Porta com foto de Joãozinho 30. A porta tava sem vida ai ele deu um jeito. Arreia de praia com cola de madeira tingido de verde. Arte chinesa diz Alcemar.
  Adora comprar coisas no brechô pra enfeitar a casa mais quando comprou um telefone pra revender, restaurou o telefone pra vender, ai funcionou e não quis vender mais. Diz ser apaixonado por coisas antigas e se sente super bem com a casa desse jeito.
  Alcemar ganhou  um saco de moeda, moedas do mundo todo de um amigo de uma firma, tava fazendo obra e teve uma ideia mirabolante. Não tinha tempo de pintar e ajeitar mais a casa ai resolveu colocar as moedas em toda a parede. Algumas pessoas acham ele meio louco mais ele garante quem gosta de arte vai gostar da minha casa.
  O chão é assim, depois que ele passou a pisar no dinheiro no chão as coisas começaram a melhorar. Ele deixa algumas notas soltas no chão. Mais garante que sua mulher não deixa colocar muito dinheiro no chão que ela começa a catar tudo. afirma.
  Pinico - a casa dele vivia cheio de cervejeiro, a galera que adora beber uma boa cerveja, fazer um batuque. Como as pessoas que bebem muita cerveja usam muito o banheiro, ele resolveu colocar os marmanjos pra mijar no piniquinho, já que as mulheres demoravam muito pra ir ao banheiro ele resolveu colocar esse piniquinho no segundo andar só para os homens. E ainda tirava um sarro dos amigos dizendo pra eles irem mijar no piniquinho.
  Alcemar dos Santos Braz diz ter 2 nomes. Na favela como é conhecido por confeccionar chinelo ele é chamado de Alcemar. Na rua como é conhecido como restaurador de móveis ai é conhecido como Braz.
  Na epoca ele tava desempregado assistindo um programa  de televisão e passou um comercial de uma máquina de fazer chinelos. Ficou encantado e sismou em comprar pra fazer as sandalias em casa.
  Foi pra são Paulo ficou 2 dias pra aprender a fazer sandálias em um pequeno curso por lá. Depois voltou pro Rio, comprou a máquina com um rapaz que pediu pra ele fazer primeiro o deposito em uma conta e esperar 1 semana. 
  Ele não conseguiu mais durmir depois desse depósito achando que teria tomado uma volta do rapaz. Na epoca custou 1,500 reais que ele depositou na conta do vendedor, onde ficou tão ansioso e com medo de não ter mais a máquina e o dinheiro de volta.  Mais finalmente a máquina chegou no prazo correto para alivio de Alcemar, que já tava ficando tenso com a compra desse equipamento.  Enfim deu tudo certo.
  Antes não tinha muito trabalho, depois começou a pintar trabalhos, mais garante ele que não foi nada fácil. Teve muita dor de cabeça pois saiam todas erradas e demorou mais ou menos 1 ano para fazer perfeitamente as sandálias.


Por Thiago Firmino

Nenhum comentário:

Postar um comentário